6 PASSOS EFICIENTES PARA MONTAR UM CRONOGRAMA FÍSICO DE OBRA

Estamos tão acostumados com prazos apertados e orçamentos desafiadores que, às vezes, fica difícil enxergar a luz no fim do túnel. Porém, há maneiras estratégicas de agir de forma preventiva e certeira na hora de elaborar um projeto na construção civil.

O cronograma físico de obra é uma excelente ferramenta para organizar o trabalho e ter uma visão geral de todos os processos, inclusive do consumo de material e de serviços. Este trabalho começa logo na etapa inicial do planejamento e é sobre isso que falaremos neste post.

Quer realizar um planejamento eficiente de obras utilizando este modelo de cronograma? Veja algumas dicas importantes que identificamos para ajudar você!

O que é um cronograma físico de obra?

O cronograma físico de obra é uma ferramenta bem conhecida no ramo da construção civil e de grande importância. Isso porque ele apresenta todas as fases ou etapas de um projeto, permitindo que o gestor tenha uma visão mais completa do seu empreendimento.

Com o cronograma você conseguirá organizar melhor o mapeamento de todas as atividades que deverão ser realizadas, além de listar e priorizar o trabalho, estimando o tempo de cada etapa, a necessidade de recursos, entre outras informações primordiais, garantindo que sua obra ficará dentro do prazo estipulado e ainda terá a qualidade aguardada pelo seu público.

Cronograma físico de obras e cronograma financeiro é a mesma coisa?

É comum que muitas pessoas acabem confundindo o cronograma físico de obras com o cronograma financeiro. Porém, é importante discernir os termos para saber qual ferramenta será mais útil no seu dia a dia.

Cronograma físico de obra

Demonstra o avanço da obra, sendo utilizado desde o planejamento da construção até a execução física da obra. Durante a fase de projeto, esse cronograma ajuda levantando dados históricos sobre empreendimentos semelhantes, o tempo de duração e o prazo de execução de cada atividade.

Já na fase de realização da obra, esse cronograma pode sofrer alterações. É comum que haja um novo documento comparando as expectativas com a realidade. Se a diferença entre os dois for muito grande pode ser que o planejamento inicial não tenha sido feito de forma adequada ou ainda que a mão de obra não esteja trabalhando no ritmo devido.

Além disso, fazer a comparação dos dois cronogramas permite que o gestor se organize melhor, economizando com materiais e recursos e ainda conseguindo tomar ações corretivas rapidamente, evitando maiores prejuízos.

Cronograma financeiro

Como o próprio nome sugere, ele está relacionado à parte financeira, indicando o quanto o empreiteiro terá de desembolsar para a construção. O ideal é fazê-lo durante o planejamento da obra, auxiliando no desenvolvimento do orçamento.

Após realizar o cronograma físico será mais fácil entender todas as atividades necessárias e, então, fazer o levantamento dos custos de cada uma delas, bem como dos recursos necessários. Com um bom cronograma financeiro e físico, é possível entender melhor as necessidades da obra e alocar corretamente os recursos, aumentando a produtividade das equipes e reduzindo o aumento do custo com hora parada.

Assim como no caso do cronograma físico, aqui também serão necessárias alterações com o decorrer da obra. Se o cronograma financeiro durante os trabalhos estiver adequado com o planejamento, é sinal de que a projeção foi feita adequadamente. Caso contrário, o gestor deverá tomar ações rapidamente ou poderá sofrer prejuízos financeiros com a construção.

Cronograma físico financeiro

É uma união dos dois tipos anteriores, agregando informações sobre o avanço da obra e também o quanto foi investido até o momento. Esse tipo de cronograma possui muitas vantagens, como:

  • identificar rapidamente possíveis desvios no orçamento, permitindo uma ação corretiva rápida;
  • melhor alocação de recursos (como equipamentos, mão de obra e materiais);
  • melhora na produtividade;
  • otimização do tempo do gestor durante a obra;
  • melhora no monitoramento e controle da obra;
  • permite que possíveis problemas sejam detectados rapidamente e melhora a tomada de decisão do gestor.

Por que usar o cronograma de obra?

Como você viu, existem vários tipos de cronogramas importantes em uma obra – e usá-los poderá fazer toda a diferença no gerenciamento do seu empreendimento, evitando que surpresas desagradáveis aconteçam no decorrer do processo.

O cronograma físico financeiro é uma ferramenta que traz possibilidades de gerenciar as etapas mais importantes da obra. Ele analisa o tempo de execução de cada tarefa, lista o que vem primeiro e o que fica para o final de acordo com prioridades e, principalmente, mostra o custo de cada atividade, evitando problemas com o caixa ou até prejuízo com a sua construção.

Quais as vantagens do cronograma físico de obra e financeiro?

Nós já listamos algumas vantagens de usar o cronograma físico de obras, em especial o cronograma físico financeiro. Veja algumas em detalhes.

Organizar o caixa

Saber exatamente quanto vai custar um serviço ou material é um diferencial que o cronograma físico financeiro tem. Com isso, o orçamentista tem a liberdade de analisar o fluxo de caixa com mais calma, fazer mudanças estratégicas, investimentos e evitar despesas desnecessárias.

Organizar o tempo

Por mostrar o começo, o meio e o fim de cada etapa, é possível definir prioridades, fazer mudanças e concentrar o foco da equipe em alguma tarefa emergencial. O cronograma também ajuda a planejar a compra de produtos e materiais com antecedência, o que evita que você prejudique o prazo final do seu projeto.

Garantir financiamento

Caso o projeto dependa de empréstimo de banco, a maioria exige que o construtor envie o cronograma físico financeiro junto com a planilha orçamentária e o memorial descritivo da obra. São documentos que mostram o planejamento financeiro e a garantia da devolução do empréstimo.

Passos eficientes para montar um cronograma físico financeiro

1- Defina as atividades e a EAP

Nesta etapa, você listará todas as atividades a serem realizadas no projeto. Mesmo que você não vá realizar um cronograma físico financeiro, mas outros que listamos acima, essa etapa continua sendo fundamental.

O objetivo é construir a Estrutura Analítica do Projeto (EAP) — tradução do termo inglês Work Breakdown Structure (WBS) — de forma que facilite a montar o cronograma para os próximos passos. Há 4 passos que você terá de tomar nessa etapa:

  • analisar todo o projeto/plantas disponíveis;
  • desdobrar o item maior em tarefas menores;
  • considerar recorrer ao histórico de outras obras similares;
  • contar com opiniões de terceiros, que sejam especializados.

2- Dê sequência e relacione as atividades

A melhor maneira de fazer isso é definindo o relacionamento entre essas ações, ou seja: qual precisa ocorrer primeiro. Nesse momento, você vai se deparar com a necessidade de estruturar quais delas tem uma relação de dependência. Para realizar esta etapa, é preciso considerar:

  • fim com o início: são aquelas atividades que começam após o término de outras;
  • início com início: atividades que devem ser iniciadas juntas;
  • fim com fim: atividades que precisam ser finalizadas juntas;
  • atividades que demandam mais tempo: é importante antecipar no cronograma as atividades que exigem um tempo maior para serem realizadas.

Um cuidado extra é pensar no “efeito dominó”, ou seja, o atraso em uma tarefa pode causar um atraso em todo o cronograma.

3- Estipule o tempo das atividades

O primeiro passo nesta etapa é estimar o tempo de cada atividade considerando o prazo final. É nesse momento que se inicia a atuação do gerenciamento: vamos supor que ao fim da análise, todo o projeto dure 30 meses e o que foi definido é a finalização em 26 meses.

Será a hora de voltar, item por item e rever cada um deles. Para chegar a um tempo mais preciso, você pode considerar:

  • estimativas análogas: em uma obra semelhante que você tenha feito, o revestimento de fachada durou três meses, logo, você pode considerar três meses neste novo projeto;
  • estimativas paramétricas: o piso cerâmico do apartamento de 120 m² foi feito em 7 dias, logo, no apartamento de 80 m², você pode considerar que levará 4 dias para ficar pronto;
  • opinião especializada: consultar engenheiros e profissionais que atuam na área pode ser uma ótima saída, já que podem estimular prazos mais precisos para itens como fundações, parte elétrica e mão-de-obra;

Dica: sempre envolva as pessoas da equipe para ajudar a definir o tempo das atividades. Experiência conta neste item.

Outro ponto importante é pensar nos custos externos e internos de cada atividade, sempre garantindo que a quantidade de recursos identificada para determinada tarefa não ultrapasse o ponto ótimo de produtividade.

Por exemplo, em um dado momento da obra, o gestor poderá economizar com recursos de mão de obra, porém deverá estar atento que isso pode gerar uma queda na produtividade, fazendo com que o tempo estimado para o fim da atividade seja maior.

Não se esqueça ainda de estimar as possíveis intempéries, ou seja, as condições climáticas da época do ano em que a obra será feita, afinal esse pode ser um ponto significativo de atrasos e de gastos extras.

4- Escolha um software

escolha de um bom software pode ser um diferencial, uma vez que a ferramenta tende a facilitar o trabalho, de forma prática e segura. Além, é claro, de auxiliar no gerenciamento e no monitoramento de todas essas informações, gerando relatórios precisos para tomadas de decisão.

5- Faça uma análise geral e do baseline

Com todos os itens acima definidos, é hora de fazer a última análise e gerar uma versão final do cronograma para dar start no projeto.

O baseline (ou linha de base) fornecerá informações importantes para você acompanhar o que estava previsto e o que foi realizado, apontando atividades que podem atrasar a obra ou que darão uma margem de folga.

6- Realize o cronograma físico financeiro da sua obra

De posse de todas as informações acima você terá o cronograma físico de obras. Para otimizar ainda mais o seu tempo ou ainda conseguir enxugar os custos, você poderá realizar o cronograma físico financeiro.

Cada fase planejada está ligada a um determinado custo (que já foi elencado durante a concepção da obra). Quando a execução do empreendimento começar, você poderá realizar um comparativo das projeções com a realidade, tanto do avanço físico, como também da parte financeira.

Esse comparativo e essa atualização constante é essencial para que o gestor consiga tomar decisões mais acertadas, tendo total domínio da obra, monitorando e controlando tanto o planejamento, como a execução das suas construções.

Fonte:https://www.noventa.com.br/blog/gestao-da-obra/cronograma-fisico-de-obra/

Author: sandru.

Deixe uma resposta

ARQUIVOS
TEXTINHO

Proin interdum nunc a elementum blandit. Nulla id sodales mi. Nunc sed porttitor tellus. Aliquam vel mauris augue. Phasellus lacinia faucibus magna, id eleifend elit.

Phasellus rhoncus dolor tempus erat consequat semper. Aenean eget congue diam. Integer tincidunt purus turpis, gravida imperdiet augue eleifend id. Vivamus imperdiet ipsum laoreet erat consectetur euismod. Nam tempus efficitur purus, rhoncus ultrices eros iaculis quis. Nam ex orci, luctus vel diam et, aliquet malesuada diam.